All You Need Is Kill, Novo Esquadrão Suicida, Injustiça, Mulher-Maravilha e Authority

Essa semana rendeu!

Muita coisa bacana lida, e nesse Foi Pra Estante algumas impressões sobre esses materiais. 

Nesse post temos:

  • All You Need Is Kill volume 1 e 2;

  • Novo Esquadrão Suicida vol 2;

  • Injustiça - Deuses Entre Nós, Volume 5;

  • Mulher-Maravilha - O Círculo;

  • Authority.







All You Need Is Kill - Volumes 1 e 2

História original: Hiroshi Sakurazaka
Storyboards: Ryosuke Takeuchi
Arte: Takeshi Obata




"A humanidade está em uma guerra nunca antes vista. Os inimigos são alienígenas chamados "Mimetizadores". O soldado novato Keiji Kiriya e a "valquíria" do campo de batalha, Rita Vrastaski, fazem parte de uma tropa especial. Porém Keiji está preso em um clico de batalhas intermináveis, e agora, ele vive no limite do amanhã...!"

Essa é a sinopse do primeiro volume de All You Need Is Kill, mangá em duas edições de 2014/2015 da editora JBC. Eu gosto de mangás curtos, com poucos volumes, acho mais interessante seguir, além de mais barato também. 



Como diz a sinopse, o planta foi invadido pelos Mimetizadores, e existe uma força, a United Defense Force que tenta proteger a Terra deles aliens. Keiji é um soldado novato, e após algumas batalhas ele percebe estar preso em um loop temporal, sempre após o término de uma luta ele volta a um determinado ponto, e com o tempo ele começa a tentar entender o motivo disso. 

Eu gostei da história, mesmo sendo algo não muito inédito, é interessante. A forma que ele começa a lidar com essa situação é interessante e a chegada da Rita Vrastaski (da United defense Force americana) tem um papel primordial no entendimento desse fato. 



Apesar de haver a repetição das lutas, elas não ficam chatas, pois, Keiji acaba percebendo algumas diferenças e isso faz com que ele comece a agir de forma diferente na próxima luta. Mas essa prisão no loop acaba afetando sua vida e sua convivência com outros soldados. 

Os desenhos são muito bons e as cenas de lutas não ficam tão confusas. Não temos muitas explicações sobre os Mimetizadores, eles estão lá e são uma ameaça. Alguns personagens estão diretamente ligados ao crescimento de Keiji nas batalhas, outros aparecem e depois acabam não tendo muita relevância. 



O encerramento me surpreendeu, eu imaginei algo diferente, e confesso que gosto quando sou surpreendido dessa maneira. Por ser um mangá de apenas dois volumes eu recomendo a leitura, é uma história interessante de ação, e quando você perceber já leu os dois volumes. Ah, existe um volume único, caso você ache mais interessante. 



Novo Esquadrão Suicida 2
New Suicide Squad 11 (out/15) e New Suicide Squad 12 (nov/15)
Roteiro: Sean Ryan
Arte: Philippe Briones




Como eu gostei do primeiro volume desa nova mensal, resolvi continuar e estou gostando da pegada dessa publicação. Não é um mix com outras histórias é apenas o Esquadrão Suicida, e eu gosto desse tipo de publicação. Às vezes são montados mix de revistas que você acaba comprando por causa de uma história e as outras não interessam, nesse caso você sabe o que vai ler. 

Esse volume continua com a missão do Esquadrão de neutralizar um grupo de membros radicais da Liga dos Assassinos que  que auto-denominam "Liga". Arraia, Pistoleiro e Bumerangue se infiltram nas fileiras do grupo como novos soldados, enquanto Arlequina, Flash Reverso e Parasita são encarregados por dar suporte e auxiliar na fuga do grupo. 




Durante o ataque da Liga à uma base, Arlequina, Parasita e Flash são surpreendidos e capturados. Flash Reverso consegue fugir mas fica sem contato com a ARGUS, ele consegue escutá-los mas a ARGUS não o ouve. Pistoleiro acaba percebendo que Arraia está cada vez mais envolvido com a Liga e deixando de lado a missão inicial. 

Arlequina, na prisão, surta e acaba protagonizando a melhor sequência da revista. Não dá para ter certeza que Amanda Waller está usando Flash, ou se realmente estão sem contato. Assim como não dá para ter certeza se o Arraia vai mesmo mudar de lado ou se ele está em uma missão secreta dentro de uma missão secreta. E eu estou curioso para saber.


Injustiça: Deuses Entre Nós Volume 5
Injustice - God Among Us: Year Three 1-7
Roteiro: Tom Taylor
Arte: Bruno Redondo, Mike S. Miller, Xermanico, Juan Albarran e Vicente Cifuentes



Nesse quinto volume ainda temos um Superman insano, só que agora ele o Lanterna Verde, Hal Jordan, possuem anéis amarelos e pertencem à Tropa do Medo, liderado por Sinestro. Agora um novo jogador entra no tabuleiro: John Constantine.

Quando a força parece não ser a solução e as palavras são ignoradas, é hora de usar a magia. Enquanto Batman e seus aliados usam de estratégias e magia, do outro lado Superman parece querer vencer na força, na luta. E por estar tão cego acaba não percebendo que nas sombras Sinestro faz seus movimentos e influencia o Homem de Aço em suas decisões. 



Continuo gostando muito dessa série, mesmo que esse volume não tenha sido nada de sensacional, e às vezes parecer um pouco de enrolação. Mas é legal não sem saber quando irá terminar ou se haverá um lado vencedor. Vários personagens são destacados, alguns com muita importância no desenrolar na história, mas eu, particularmente, estou gostando muito da Arlequina. Desde o volume quatro ela vem se mostrando uma boa surpresa, ainda meio maluca, mas muito legal àqueles que a ajuda. É um pouco estranho vê-la lutando ao lado do Batman, mas está sendo muito divertido. Alguns diálogos são sensacionais, posso dizer que essa é uma das melhores publicações no momento. 



Mulher-Maravilha O Círculo 
Wonder Woman 14-17, jan-abr 2008
Wonder Woman 98,105 - mai/1958, abr/1959




Nessa edição de número 17 da DC Comics Coleção de Graphic Novels (que provavelmente será a minha última devido aos aumentos da Eaglemoss), temos O Círculo, uma história de 2008 onde vemos a Diana trabalhando como agente secreta para uma organização do governo, já que ela fica sem seus poderes na forma humana, Diana Prince, só tendo-os de volta quanto veste o uniforme da Mulher-Maravilha. 



Ela é enviada para deter o Capitão Nazista e acaba descobrindo uma investida da Sociedade, um braço nazista, contra Themyscira, lar das amazonas e parte para tentar salvar a ilha. Ao mesmo tempo é contada a história do Círculo, um grupo de mulheres escolhidas pela sua mãe, a Rainha Hipólita, como sua guarda pessoal e assim elas prometem protegê-la até as últimas consequências.  Mas quando a rainha resolve ter uma filha, as integrantes do Círculo não concordam e resolvem que o dragão, a filha da rainha tem que ser morta. Enquanto vemos Diana procurando ajuda para proteger sua ilha, vemos o o que houve no passado com o Círculo, e esses dois pontos acabam por se unirem quando a Sociedade tenta conquistar a ilha.



A arte desse material é ótima, adorei as cores e os traços, algumas páginas são sérias candidatadas a quadros.Já a história eu fiquei um pouco perdido, mas com o tempo fui me localizando. Algumas coisas não são explicadas, o que eu achei chato por ter ficado na curiosidade. Como é um arco pequeno, apenas quatro edições, esse material tem duas histórias clássicas da Era de Prata no final, ambas do final dos anos 50. Nessas histórias podemos ver como a Mulher-Maravilha recebeu seus poderes e uma outra história de quando ela é enviada para a Terra dos Homens. Essa parte é interessante de ler para saber como era antigamente, já que o estilo é completamente diferente ao que temos hoje. Em alguns momentos bate até uma vergonha de como é desenrolada a história, mas estamos falando do final dos anos 50, então é bom relevar. 

É um material bonito, interessante, divertido e de rápida leitura. Não vou falar que é algo indispensável, acredito que deva ter materiais melhores da Diana. Mas se você é fã da Mulher-Maravilha, vale ter na estante. 



Authority -  Volume 1
Authority 1-8
Roteiro: Warren Ellis
Arte: Bryan Hitch
Arte final: Paul Neary




Quando saiu Stormwach eu não poderia deixar passar pois eu queria muito ler Authority e Stormwach era porta de entrada. Sempre ouvi falar muito sobre Authority e como marcou uma mudança na história dos quadrinhos. Stormwatch saiu em quatro volumes, e não é difícil para você encontrar. Tenha esse material que vale muito a pena. Quando terminei Stormwach fiquei ansioso para ler o Authority, mas por uma brincadeira do destino esse material não veio para minha cidade. A data de lançamento que consta na revista é Dezembro de 2015, mas o checklist da editora era para Feveiro de 2016. Mas não apareceu por aqui e eu acabei comprando pelo site da editora, alguns meses depois.

Após o fim do Stormwach o planeta ficou sem uma equipe de defesa, mas os remanescentes do Stormwatch Black (uma equipe secreta dentro do Stormwach), Jenny Sparks, Jack Hawksmoor, Swift, Apolo e Meia-Noite, Engenheira e o Doutor formaram o Authority. Diferente do Stormwatch que se reportava à ONU, o Authority não tem a quem se reportar. Eles são chamados para resolver algum problema e vão lá resolver, sem mais delongas e sem frescura. Eles fazem o que precisa se feito, mesmo que para isso precise destruir um país para salvar outro. Eles tem uma visão de justiça diferente do comum.



Esse primeiro volume conseguiu superar minhas expectativas, e valeu esperar. Há ótimos diálogos e muita ação. Os personagens possuem características fortes e alguns são completamente diferentes de outros, mas funcionam perfeitamente como uma equipe. Jenny Sparks se mostrou uma grande comandante e é um destaque desse volume, assim como o Meia-Noite. Tomara que saia logo o segundo volume e uma hq solo do Meia-Noite. 

Se você gosta de quadrinhos de heróis precisa ter isso na sua estante, e se possível com os quatro volumes de Stormwatch. Pode pegar que não tem erro.




É isso aí. 
Até a próxima.

Comentários