Retalhos




O que seria de nossas vidas se tivéssemos apenas certezas das coisas? 

A dúvida move a humanidade, baseado nas dúvidas grandes ideias e invenções surgiram. 
E o que acontece quando essas dúvidas entram em conflito com nossos desejos?



Em Retalhos (ed. Quadrinhos da Cia), Craig Thompson (autor de Habibi e outras obras) nos apresenta sua infância e sua adolescência. Desde as brigas com o irmão mais novo até os conflitos religiosos e amorosos. Apesar das mais de quinhentas páginas, a leitura flui de forma leve e tranquila, a vontade de virar a página é constante. É muito bom ler um material assim, ainda mais quando você se identifica com o protagonista. Vem à mente aquele pensamento de "Nossa, não estou sozinho!", isso é muito gratificante. Craig vem de uma família cristã e tem suas vidas baseadas na Bíblia. Seu pai sempre rígido e sua mãe sempre obediente formam, para muitos, aquela figura de uma clássica família cristã. Eles moram em Wisconsin, uma cidade no centro dos Estados Unidos que vive cheia de neve, que é a maior diversão para as crianças. 


Craig cresceu sempre temente à Deus, sua vida era regida pela Bíblia, o que podia ou não podia ser feito, baseava-se no que estava escrito em seus versículos. E é esse o caminho que a história toma e que me prendeu ainda mais. Algumas passagens do livro foram impactantes para mim, como onde ele faz um desenho que seus pais julgam "errado" e dizem para Craig que Jesus está triste por isso. Ou seja, jogaram toda responsabilidade para Jesus, e todo passo que ele dava tinha dúvidas se Jesus ficaria triste ou não. As escolhas eram baseadas se a Bíblia concordava ou não. Sem contar nos acampamento Cristão, onde ele ia nas férias. Onde tudo era feito com o intuito de agradar Deus/Jesus. Em outra passagem, a professora conta sobre adorar à Deus por meio de cantos, e ele diz que não canta, não gosta, não tem voz para tal. Mas ele sabe desenhar. E que era o que ele iria oferecer. Mas a professora repreende-o dizendo que não. Que desenho não seria a melhor coisa para agradar à Deus, e que a voz ficaria linda ao louvar o senhor. E percebe-se bem o quão perdido ele fica por causa disso. 

Na adolescência ele não é um dos mais populares da escola, muitas vezes sendo motivo de chacota e zoação, escolhia sempre ficar sozinho com seus pensamentos e desenhos. Em um desses acampamentos Cristãos ele conhece Raina. Eles tem pensamentos parecidos, gostos parecidos e então começam uma amizade, e dessa amizade algo maior surge. Como eles moram em cidades diferentes começam os contatos por cartas e telefonemas, até o dia que ele decide passar uns dias com ela. Mesmo sobre o risco dos pais não deixarem ele tenta, e ao dizer que a família dela também é Cristã, não teve como eles negarem o pedido. 



Foram dias de descobertas e dúvidas. 

E as dúvidas cada vez maiores na sua mente. Na grande maioria sobre o que Deus/Jesus aprovaria ou não. Ele deixava de falar ou fazer alguma coisa com medo de estar pecando. Então, começou a questionar esses ensinamentos. Seria mesmo que isso tudo era o mais correto? Seus desejos e sentimentos não eram levados em conta. Como proceder, então? Seguir um ensinamento que parece ir contra o que ele deseja, ou colocar tudo isso dentro de uma caixa e seguir fielmente esses ensinamentos. 

Mas ele precisa voltar para casa. Retomar sua vida. Seus pais. A escola. A igreja. 

Um dia, após o culto, ele recebe um conselho que seria melhor não ir à escola de artes, pois lá eles caem direto nos braços da tentação, que as pessoas tornam-se pessoas ruins, piores que assassinos, e que isso acontecia em qualquer universidade. Como sempre, mais e mais dúvidas entravam na mente de Craig. 

Para mim, foi uma das coisas mais legais que li nos últimos tempos. Conseguiu me pegar pelo lado emocional, pelas situações que vejo quase que diariamente, onde as pessoas tem medo de confrontar, tem medo de duvidar ou perguntar. Aceitam o que lhes é dito sem ao menos questionar, e não percebem o quão prejudicial isso pode ser na sua vida. Como o apoio da família, das pessoas próximas à nós é importante para criarmos nossos alicerces. E que não devemos deixar a responsabilidade mas mãos de outro, mesmo que esse outro seja uma entidade toda poderosa dona de todos conhecimentos do universo. O questionamento é muito importante para ampliarmos o horizonte que está à nossa frente. Imagine onde estaríamos se os grandes cientistas e descobridores resolvessem aceitar apenas aquilo que lhes foi imposto. Pode ser que estivéssemos ainda na Era das Trevas, e você, caro leitor, não estaria apreciando esse texto. Mesmo eu tecendo, na minha mente,um final diferente para essa história, gostei muito desse material e recomendo muito que você leia. Seja você cristão ou não. 


"Mas a dúvida é o preço da pureza. E é inútil ter certeza."
 Humberto Gessinger

Comentários

  1. Caraca, Zanotte! É por isso que sou seu fã. hahaha
    Achei interessantíssimo e com certeza vou atrás desse material!
    Já tinha assistido alguns reviews e lido umas resenhas mas nenhuma das análises me comoveu tanto quanto a sua... É isso aí, cara, keep going!
    Até! :D

    saboiarafa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeuzão, Rafa! Realmente gostei muito desse material, quero ainda ler outros do tipo, como Maus (esse eu preciso!), o Habibi, do Craig, e outros como Talco Vidro e Dois Irmãos... Só falta-me um pequeno detalhe.. .kkkkk
      Abraço!

      Excluir

Postar um comentário