11.22.63 [série]


Um dos maiores sonhos do homem, com certeza, é a viagem no tempo. Esse é um tema recorrente de livros, filmes, desenhos, séries, entre outros. O desejo de voar, foi trocado pelo desejo de voar no tempo. Apesar de ser algo comprovadamente impossível, será mesmo que havia benefícios? 

Como já apresentado em filmes como De Volta Para o Futuro ou Efeito Borboleta, sabemos que alterar o passado pode causar grandes problemas no futuro, ou seria o presente? Planos como matar um estadista, ou impedir a morte de alguém importante, pode, na verdade, ser um grande erro. O mundo segue seu curso. Não cabe entrar na questão de destino, ou de "entidades superiores" que controlam nossas vidas. Nada disso. É o simples fato de não alterar algo que não é para ser alterado. Você, eu, ou qualquer outra pessoas não sabe as consequências disso. E pode afetar desde a sua vida e a vida dos seus familiares, como afetar todo o planeta. 


A série é inspirada no livro "Novembro de 63" de Stephen King, que faz parte da equipe de produção, assim como J. J. Abrams; nomes de peso para uma mini-série. Em 11.22.63 (22.11.63), Jake Epping (James Franco) é um professor de língua inglesa que descobre a existência de um portal temporal (Toca do Coelho¹) na lanchonete de seu amigo Al Templeton (Chris Cooper). E esse amigo, Al, faz frequentes viagens ao passado, mas ele tem uma missão que não conseguiu cumprir: evitar a morte de JFK². Em uma dessas viagens ele contrai uma grave doença e não tem como voltar e cumprir seu objetivo, cabe, então, à Jake essa missão. 

A ambientação de época é ótima. As pessoas, as roupas, o cenário, a trilha sonora e principalmente, os carros. Entendo que nos Estados Unidos é muito mais fácil encontrar esses tipos de carros, mas a quantidade é muito grande, e isso me encheu os olhos. A série mostra, também, alguns detalhes de como era o racismo na época, e faz isso de maneira sutil, mas podemos entender bem como era o tratamento para com as pessoas de pele negra em algumas cidades americanas. A narrativa é boa, e em alguns momentos atiça nossa curiosidade, mesmo que no meio da temporada ela tenha uma queda em seu ritmo.

Jake e Al
Não é explicado a origem dessa "Toca do Coelho", ela simplesmente estava lá. Há regras para essas viagens. Quando a pessoa vai ao passado ela aparece sempre em 1960, e quando volta ao futuro (ou presente) ele sofre as consequências das alterações, mas se revolve retornar, todas as alterações são reiniciadas. Ou como num bom jogo de vídeo-game, se não salvar a fase, volta lá pro começo dela. No decorrer da trama vemos Al contando para Jake os detalhes do plano, e isso nos ajuda a entender o que ele precisa fazer. Como Jake irá aparecer em 1960, ele precisa de uma vida até 1963, ano do acontecimento. Mas Al deixa claro que ele não deve alterar nada, e, muito menos, se envolver com alguém. Pelo que parece, Al cometeu esse segundo erro. Essas informações e regras são apresentados no episódio piloto que tem cerca de 1h20m de duração. 


Jake e Sadie
Nos dois primeiros episódios vemos Jake ambientando-se, arrumando casa e emprego. Claro que Jake não obedece todas as regras passadas por Al, e se mete em algumas situações bem complicadas. Jake conhece Bill Turcotte (George MacKay), e acaba tendo um parceiro para a missão. Jake envolve-se com Sadie Dunhill (Sarah Gadon), por quem ele se apaixona. Mesmo que ela tenha um papel importante em toda trama, há uma queda no ritmo com a aparição de Johnny Clayton (T. R. Knigth), ex-marido de Sadie e vemos o foco ser alterado para esse relacionamento. Depois disso o ritmo é retomado e vemos Jake à procura de Lee Oswald, o suposto assassino de JFK. O passando acaba tentando interferir nos atos de Jake, ele é praticamente um entidade, ou até mesmo um personagem que faz parte da trama. Há alguns outros personagens que fazem parte dessa "vida nova" de Jake que, além de cativantes, vão ajudá-lo muito.

Lee Harvey Oswald

Com um tema desse, e como sabemos dos reais acontecimentos, não podemos esperar muito do seu desfecho. Há poucas teorias a serem seguidas para esse final, mas eu achei interessante a escolhida, não muito longe do que eu havia pensado. Esse é o tipo de série que vale mais pelos meios do que pelo fim. Saber o que ele fez, deixou de fazer ou poderia ter feito para alterar um fato histórico, sem saber quais seriam suas consequências. Como é uma mini-série em apenas oito episódios, vale como entretenimento. Não acrescenta muita coisa ao caso do assassinato, mas é interessante alguns momentos onde pensamos sobre algumas atitudes que tomamos no passado e como isso pode influenciar nosso futuro. Caso assista, sinta-se no lugar de Jake e analise se as decisões são corretas. Tente pensar em alguma decisão sua, que você gostaria de mudar, por pensar de forma diferente nos dias de hoje. 

É isso aí. 






11.22.63 (22.11.63), 2016
Disponível no HULU, ainda sem data de lançamento no Brasil.
Avaliação IMDb: 8,3/10
Foi Pra Estante: ***



¹ Apelidado de "Toca do Coelho" na série, mas amplamente conhecido como "Buracos de Minhoca". Sabia mais aqui.

² JFK, John Fitzgerald Kennedy, 35º presidente dos Estados Unidos da América (1961 - 1963), considerado para muitos um dos melhores presidentes e mais promissores dos EUA, além do mais popular até então, foi assassinado em 22 de Novembro de 1963 em Dallas. O acusado do tiro fatal foi Lee Harvey Oswald, um ex-fuzileiro naval, que foi assassinado dois dais depois por Jack Ruby. Até hoje essas mortes são cercadas de mistério e teorias.

Comentários