50% (50/50) [Netflix]



Câncer. 

Acredito que só pronunciar essa palavra já trás um fio na espinha. Mas, infelizmente é algo que todos nós estamos suscetíveis. E parece ser ainda pior quando acomete alguém que não fuma, não bebe, segue praticamente todas as regras. Não é fácil entender logo no primeiro momento. Conheço pessoas que passaram por essa situação, algumas souberam lidar, outras não. Mas exitem as pessoas próximas. O que devemos fazer, ou falar? É algo complicado. Ao mencionar que a pessoas está acometida dessa doença, o primeiro pensamento que vem à mente é pena ou dó. E essa pessoa passa a ser uma coitada. Praticamente todos nós pensamos assim. E a pergunta vem à mente: E agora?




Baseado em fatos, 50% (50/50) mostra a vida de Adam (Joseph Gordon-Levitt), um rapaz de 27 anos, que não fuma, não bebe, pratica esportes, vive uma vida correta e é acometido por um câncer na espinha dorsal. Claro que a ficha não cai por completo no primeiro momento. Os primeiros a saber é sua namorada Rachael (Bryce Dallas Howard) e seu melhor amigo Kyle (Seth Rogen). Ele pensa em não contar para sua mãe, Diane (Anjelica Huston), já que ele a conhece bem, mas acaba repensando e conta para ela. Ele acredita ser um fardo, já que ela cuida do seu pai, que tem Alzheimer.

É um drama com um assunto delicado, mas o diretor Jonathan Levine, soube transmitir todos os sentimentos envolvidos de um modo suave. Mostra como as pessoas ao redor lidam com isso, e até mesmo os mais próximos. Mesmo sendo um assunto difícil, 50% consegue transitar bem entre as emoções, desde a dúvida, passando pela raiva e até alegria. Os alívio cômico vem de Kyle, seu fiel amigo. Ele chega muitas vezes a passar a impressão de não estar nem ai para a doença de Adam, e quer que ele aproveite o momento. 


Adam tenta lidar com a situação da melhor maneira possível, mas nem sempre é fácil. Para auxilia-lo nessa tarefa ele começa sessões análise com Katherine (Anna Kendrick). Ela tenta ao máximo ajudá-lo, e depois das cenas com Kyle, há boas cenas e diálogos com Katherine. Durante as sessões de quimioterapia ele conhece Richard e Mitch e acaba tendo uma visão diferente da vida em algumas situações. A mãe dele, Diane, aparece em poucas ocasiões, mas Anjelica Huston sabe mesmo o que faz. 



É um filme suave e simples para um assunto pesado. Não há falsas esperanças ou promessas, as chances estão claras, 50%. Emocionante em diversos momentos, que nos faz repensar em alguns aspectos de nossa vida e de como lidamos com as situações, com as pessoas e com nós mesmo. 



50% (50/50)
Roteiro: Will Reiser
Direção: Jonathan Levine
Disponível no Netflix (por tempo indeterminado)
Avaliação: ****

Comentários