Você teria um minuto para ouvir a palavra de Darth Plagueis, o sábio?



Sim, jovem padawan, essa não é uma história que a ordem Jedi lhe contaria. Existe mais sobre o mestre de Lorde Vader, Darth Sidious, que não foi narrado. E há mais sobre os Sith do que você pode imaginar.


Está disposto a seguir pelo caminho sombrio?


Darth Plagueis é um romance de James Luceno (autor de várias obras Legends e Cânone do universo expandido de Star Wars). Luceno conta sobre a vida do mestre Sith Plagueis, desde seu confronto com Darth Tenebrous até sua morte pelas mãos de seu aprendiz recém-nomeado Chanceler.

Plagueis nos apresenta o jovem Palpatine e a nítida transformação de um rapaz ambicioso para um imperador galáctico, através da história deste m­­uun e sua crença nos ensinamentos de Darth Bane.

Do planeta Muunilinst, o magistrado Hego Damask (como era conhecido Darth Plagueis) fazia parte do Clã dos Bancários Intergaláctico que financiavam obras importantes na galáxia.


Darth Plagueis

“Raramente um prédio era erguido em Coruscant sem aprovação do Clã Bancário; raramente uma nave deixava os Jardins de Kuat ou Bilbringi ou Frondor sem CBI ter fechado um negocio; e raramente ocorria uma eleição em Corellia ou Commenor sem os Muuns serem consultados.” ( p. 67)


Darth Tenebrous
Plagueis inicia sua jornada - em um planeta embrionário chamado Bal’demnic - com um confronto com seu então mestre Tenebrous.  Segundo os ensinamentos de Darth Bane, deveriam existir apenas dois Sith ( a regra de Dois), um mestre e um aprendiz. Quando o aprendiz adquirisse o domínio total da força, este deveria enfrentar seu mestre e se ganhasse mereceria ser um verdadeiro Sith.

Após a morte de seu mestre, Darth Pagueis precisa retornar para Muunilinst. A solução mais viável e silenciosa é sequestrar uma nave cargueiro e matar seus tripulantes, poupando apenas um droide bípede 11-4D de procedimentos médicos, que torna-se seu companheiro – e posteriormente de Darth Sidious.

Plagueis fica obstinado com a ideia de vencer a morte (essa é uma das partes mais interessantes e a linha principal do livro), com isso tenta aprender a dominar cada vez mais os midi-chlorians, usando vários seres suscetíveis a força, através de experimento sem seu laboratório escondido.


Naboo
A trama se desenvolve com a participação de Damask no apoio e financiamento da campanha de Bon Tapalo nas eleições como Rei de Naboo (e anos depois na escolha de Veruna como regente, que era assessor de Tapalo) e com a Federação do Comércio. O interesse do muun estava diretamente ligada a recente descoberta de uma grande fonte de Plasma em Naboo, com a vitória de seu candidato, as “Empresas Damask” iriam ter diretos sobre a retirada e transporte do produto do planeta. Porém, nem todos de Naboo aceitavam a ideia de exploração de seu reservatório, algumas casas reais estavam insatisfeitas com esse “apoio” que Tapalo estava recebendo, entre elas a casa real do  jovem Palpatine. ao programa de jovens legisladores de Naboo, Palpatine já tinha objetivos claros sobre o que desejava para o seu planeta e pra si:

Quero ver Naboo deixar o passado para trás. Quero que pertençamos à galáxia. É errado querer cumprir um papel importante na história da República? (p.143)

A relação do magistrado Damask com Palpatine, através de uma pequena espionagem nas eleições de Naboo (e uma nítida rixa entre o jovem e seu pai), acaba aproximando os dois. Entretanto, Consiga (o pai de Palpatine) descobre essa afinidade, e junto com seus irmãos e mãe, o embarca na nave da família para tirá-lo das influências do muun.


- Eu sei que você é sangue do meu sangue, porque o examinei, só para ter certeza. Mas, na verdade, não sei de onde veio... de quem ou de que realmente descende. – Ele fitou o filho. – Sim, olha ai: essa cara feia da qual fui receptor por longos dezessetes anos. Como se quisesse me matar. Matar sempre esteve nos seus pensamentos, não? Você só espera que alguém lhe de permissão para agir.
Uma sombra tomou o rosto de Palpatine.
- Não preciso da permissão de ninguém. (p. 169)

Palpatine usa toda sua raiva e mata seus pais com o uso da força:

- Eu os executei com as mãos! E com o poder da mente. Virei uma tempestade, magistrado... uma arma forte o bastante para entortar painéis e lanças corpos para o outro lado da cabine. Virei à morte em si. (p.175)

Darth Sidius e Darth Plagueis
A partir desse momento ele torna-se Darth Sidious. Plagueis começa a introduzi-lo nos ensinamentos Sith e submeter-se ao lado sombrio da força:

- Como dizia Darth Bane: “um dia a república cairá e os Jedi serão eliminados. Mas isso não acontecerá até que estejamos prontos para tomar esse poder”.
- Quando?- Perguntou Sidious. - Como saberemos quando será o momento certo?
- Estamos perto de saber. Por mil anos, os Sith se permitiram ser reduzidos a lenda. Como isso se adequa ao nosso proposito, não fizemos nada para combater a crença de que representamos perversões dos Jedi, magos maus, manifestações do ódio, raiva e sede de sangue, capazes ate de deixar o resíduo de nossas maldades e feitos infames em locais de poder. (p.194)
-Pense na mentalidade de um anarquista que planeja sacrificar-se por uma causa. Durante as semanas, os meses, e talvez anos que levem até o dia que ele amarra um detonador termal no peito e executa sua tarefa, o anarquista viveu e ganhou forças por causa do segredo que carrega, sabendo o preço que pagará para atuar. O mesmo vale para o Sith, que reside num local secreto, sagrado, desconhecido por mil anos, e sabe o preço que suas ações cobrarão. Isso é poder, Sidious. Já os Jedi, pelo contrário, assemelham-se a seres que, enquanto se movem entre saudáveis, mantem em segredo o fato de estarem morrendo de uma doença terminal. Mas o verdadeiro poder não precisa mostrar garras nem presas, nem anunciar com rosnados e latidos guturais, Sidious. Pode subverter com algemas de seda, carisma proposital e astucia política.  (p.196)


Estava feito!

Durante o treinamento de Sidious com um Sith, ele e Plagueis começam a por em prática o plano de controlar a galáxia através de Palpatine  no poder do Senado e Plagueis nos bastidores.


Darth Maul


Em uma das jornadas de aprendizagem, Palpatine vai até Dathoimir (um dos mundos Sith) e acaba sendo abordado por uma irmã da noite (bruxas perversas que seguiam sua própria religião), que lhe oferece um de seus filhos, Maul. Secretamente Sidious abriga o pequeno zabrak e começa a treiná-lo, primeiramente na arte do confronto e aos poucos na Força.






Palpatine e a Rainha Amidala no Senado.

Palpatine, em poucos anos, vira auxiliar do senador de Naboo e em uma trama, elaborada por ele e Damask, acaba tornando-se senador provisório


Durante o livro descobrimos como Palpatine é genial politicamente. Enxergamos isso quando ele manipula os bastidores do senado galáctico em Curuscant e a influência visível de Palpatine nas eleições da jovem Padmé Amidala  (então com 13 anos) para regente de seu planeta natal.


Kaminoanos

Ao longo da obra somos apresentados ao mestre Jedi Dookan e o inicio de suas dúvidas sobre a ordem. Assim como a ideia de criar clones pelos Kaminoanos como exército da República em tempos vindouros, planejada por Plagueis e sugerida de maneira sutil ao Jedi Zaifo-Vias (que posteriormente mandou criar os clones que seriam usado pela a ordem Jedi).



Qui-Gon, Maul e Kenobi

Luceno nos leva até a história do filme Star Wars Episódio I: A Ameaça Fantasma (lançado em 1999). Descobrimos como Darth Sidious manejou o bloqueio feito em Naboo pelos Neimoidianos, em 33 ABY( antes da Batalha de Yavin), que faziam parte da diretória da Federação do Comércio e enviou Maul ao encalce de Qui-Gon e Kenobi. O ataque da Federação do Comércio ao planeta de Palpatine tornam ainda mais impopulares as decisões do chanceler Valorum, levando assim a uma nova eleição para o posto.






Logo nas primeiras páginas já somos apresentados à trágica morte de Darth Plagueis, mas o interessante é descobrir como aos poucos Sidious entende que não precisa de Plagueis para executar os planos para o futuro dos Sith e da Galáxia.

Darth Plagueis



Uma risada cruel de Palpatine
- Pense nos últimos anos... supondo que tenha capacidade. Yinchorr, Dorvalla, Eriadu, Maul, os Neimoidianos, Naboo, um exercito de clones, Jedi caído Dookan. Você acha que tudo isso foi ideia sua, quando na verdade foi minha, habilmente sugerida a você para poder devolver a mim. Você confiou demais, Plagueis. Nenhum Sith verdadeiro pode de fato gostar de outro. Isso todos sempre souberam. Não há outro jeito senão o me próprio. (p.413)

Plagueis pode não ter descoberto como se tornar imortal, mas criou aquele que seria o maior Imperador da galáxia e mataria quase todos os membros da ordem Jedi.






DADOS DO LIVRO

Livro: Darth Plagueis

Autor:James Luceno

Editora: Aleph

Data de lançamento original:27/12/2011

Data de lançamento no Brasil:18/04/2016

Número de páginas:433

Comentários