Os peculiares estão entre nós




Nosso mundo possui mais mistérios que podemos acreditar, e é isso que Jacob Portman acaba descobrindo.


O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares é o primeiro livro ( lançando em 2011) de uma trilogia escrita pelo americano Ransom Riggs, que conta a história de um garoto da Flórida e seu amor pelo avô.



O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares, Cidade dos Etéreos e Biblioteca de Almas
Jacob é um simples e magrelo adolescente, que cresceu ouvindo as incríveis histórias de seu avô Abe - um sobrevivente judeu mandado para um abrigo para fugir da Guerra. No orfanato, Abe (avô de Jacob) conheceu crianças peculiares, com poderes incríveis. A “Ave” era responsável por cuidar de todos e os protegia em uma pequena ilha ensolarada e feliz no País de Gales. 

Porém, seu avô resolveu sair do lar e ir lutar contra os “monstros” que os caçavam (eles tinham tentáculos na boca e perseguiam as crianças peculiares), em uma tentativa de proteger seus novos irmãos e irmãs.  Em meio a fotos amareladas pelo tempo, Jacob é apresentado a uma menina que flutuava (e por isso usava sapatos especiais), um menino invisível, um rapaz que tinha abelhas morando em sua barriga e uma linda menina que tinha fogo nas mãos. Jacob passava horas com seu avô pedindo que compartilhasse essas histórias e planejando aventuras com ele pelo mundo.

Os peculiares 
Só que algo terrível acontece, Jacob cresce.

Um etéreo visto por Jacob 
Todas as histórias de seu avô tornam-se apenas bizarros contos de fadas, rodeadas de fotos repletas de montagens.  Existiam monstros sim, mas eles se vestiam rigorosamente com um uniforme militar e vinham da Alemanha; não existiam crianças peculiares, mas órfãs de guerra; não havia uma “Ave” que vigiava todos em sua grande casa, mas apenas uma senhora que fumava cachimbo e que tutelava pelo bem-estar dos pequenos. Crescer pode ser doloroso de tantas formas, e as piores aconteceram com Jacob.  Sua fértil imaginação foi arrancada e em seus braços seu amado avô morreu. Agora o jovem teria que escolher: defender as memórias de seu velho e desvendar seus mistérios, ou aceitar que tudo não passava de mentiras de um senhor que nunca foi capaz de demostrar afeto pelos filhos e que fazia longas viagens durante anos para encontrar uma suposta amante.

Assim começa a nossa aventura com Jacob, uma busca por respostas em um mundo onde os peculiares estavam entre nós. Um mundo aonde todos os dias era "03 de setembro de 1940" e que as crianças que seu avô conheceu ainda permaneceram iguais, paradas no tempo protegidas dos horrores do mundo presente, graças a magia Srta. Peregrine.


Srta. Peregrine 
A maioria dos peculiares vivam em fendas temporais (coexistindo entre o passado e o presente) espalhas pelo mundo, para serem resguardadas não apenas dos humanos – que não os compreendiam e os temiam, ou apenas acham que os peculiares eram artistas talentosos que apresentavam suas “mágicas” em troca de aplausos e dinheiro -, mas eles fugiam de algo mais anômalo que a raça homo sapiens. Os etéreos caçavam os peculiares como sapos comiam moscas.

Jacob descobre que seu velho avô foi resgatado de um campo de concentração, porque também era especial. Abe tinha um poder essencial, ele podia sentir e ver os etéreos, ele podia defender os seus iguais. E Jacob percebe que essa seria sua missão também. Mas isso teria um preço caro: abandonar sua família, resistir a um amor que antes pertencerá ao seu avó e  viver em fendas do tempo, no limite entre o passado e o presente. Ele estaria disposto a isso?

O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares é uma ficção leve e cômica, que mistura fatos históricos e místicos. É uma historia de ninar, mas cuidado com os pesadelos.


Tim Burton e o “lar” de Riggs



Etéreo 
O Lar das Crianças Peculiares é dirigido pelo aclamado diretor Tim Burton, a produção faz a gente reviver os elementos principais do livro: as dúvidas de Jacob sobre as histórias do avó; a descobertas dos peculiares; o primeiro amor e a luta para fugir dos Etéreos. Porém, Burton peca em exagerar na fantasia (Tim Burton sendo Tim Burton ).  



Jacob e Emma
O livro de Ransom Riggs já é tão cheio de elementos extraordinários que qualquer adição nos faz pensar: “desnecessário tudo isso”Burton não apresenta os dilemas internos de Jacob com a morte de seu avô.  A srta. Peregrine (atuação de Eva Green) acaba se tornando mais excêntrica.  Jacob (Asa Butterfield) não é o menino tão sagaz, engraçado e perturbado que o Riggs criou. A personagem mais importante entre os peculiares, Emma herda os poderes de  Olive (mais leve que lar), o que confunde os leitores. O final do livro é mudado por Tim Burton, talvez para ficar mais interessante, mas perdeu a mão.


Srta. Peregrine e Jacob


Mas o filme é ruim?
Não! 
É uma aventura coloria e sombria de Burton.

Mas se você - como eu - assistir depois de ter lido o livro, vai sair decepcionado. Riggs fez a gente amar e imaginar tão bem o livro que Tim Burton não alcançou sua grandeza e maculou partes maravilhosas e ingênuas. Mas não tenha medo, assista e tire suas próprias conclusões. 


O mundo dos peculiares existem






O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares






Editora: Leya

Autor: Ranson Riggs
Avaliação: *****

O Lar das Crianças Peculiares

Lançamento: 30 de Setembro de 2016 (EUA)

Direção: Tim Burton
Elenco: Eva Green
Asa Butterfiled
Ella Pumell
Samuel L. Jackson
Judi Dench

Avaliação: ***

Comentários

  1. Incrível post, Natália!
    Eu fiz o contrário. Assisti ao filme primeiro, e mesmo sem parâmetros com os livros achei bem mais ou menos.
    No mesmo final de semana depois da estreia do filme nos cinemas consegui os livros para ler, porque senti - pelas críticas - que eles possuiam uma mágica que Burton não conseguiu levar para as telonas.
    E realmente, quase terminando o primeiro livro, percebo que não foi a adaptação que a obra de Riggs merecia. É um bom filme, apesar de todas as mesmices de Burton, mas não é digno.

    Entre todas as mudanças desnecessárias, o que mais me incomoda é; porque mudar o personagem?! Digo, trocar a Emma pela Olive... Não consigo achar sentido, uma explicação lógica...
    Pior que na capa de trás do primeiro livro tem um comentarío do titio Burton: "tem certeza que não foi eu que escrevi tudo isso?"
    Prepotente, não?! hahaha

    Abraço do Nerd!
    saboiarafa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de mencionar que a experiência das fotos nas páginas do livro são muito mais interessante do que a experiência do filme inteiro!
      Abçs!

      Excluir
    2. Genial o uso das fotos... E tu saber que realmente aquelas fotos do 1 livro são de alguém ( no final tem a lista de quem as coleciona) é incrível.

      Excluir
  2. Verdade Rafa... Não compreendo a necessidade da troca.. pq a Emma com seu poder de produzir fogo é muito importante e completa a história com Jacob. E o final do filme ...desnecessário.

    ResponderExcluir

Postar um comentário