3% - Série


"Num futuro talvez não tão distante, só 3% das pessoas conseguem passar pelo Processo e viver no Maralto. 3% é a primeira série brasileira original Netflix."

Quando soube desse projeto fui pesquisar a respeito e descobri que havia sido produzido três episódios pilotos, todos curtos com cerca de dez minutos (o primeiro você pode conferir aqui). Eu gostei da ideia, gostei da ambientação. Achei que por ser uma produção nacional era algo diferente e inovador. Não inovador da ideia central, pois temos muitos exemplos de livros e filmes com esse ideal utópico e uma sociedade perfeita. Mas achei que poderia ser uma coisa boa. 

Nesse mundo distópico há dois lados bem claros, o Continente e o Maralto; ou o Lado de Cá e o Lado de Lá. O Continente é onde a maior parte da sociedade vive. Um local abandonado, sem esperança, com falta de recursos e segurança. O Maralto é a esperança de uma vida melhor, e lá onde as pessoas são felizes, a sociedade funciona, onde todos gostariam de estar. Mas há uma regra para estar em Maralto: ao completar vinte anos, é preciso passar pelo Processo. Nele são selecionados quem segue para Maralto. Mas apenas 3% dos candidatos conseguem. Mas nem todos acham que o processo é justo. Nem todos querem estar em Maralto. E os conflitos são eminentes.

Não gostei muito do figurino e maquiagem dos moradores do Continente, para demonstrar uma situação deplorável eles usam roupas velhas e rasgadas. Mas muitas delas são apenas rasgadas, e não surradas, e isso fica estranho. O fato de usar um pedaço de pano como camiseta, não faz sentido algum, já que há mais buracos do que pano. À princípio, também, foi inevitável comparar o primeiro episódio (Cubos) com o piloto que há na internet. A diferença é muito grande. No começo eu estranhei todo aquele ambiente "clean", branco para todo lado e uma luminosidade que chegava a doer a vista. Mas essa sensação foi passando e comecei a entender o motivo dessa diferença. Como cada episódio tem cerca de quarenta e cinco minutos, a narrativa precisa ser diferente dos dez minutos originais, e essa alteração fez uma diferença importante.


A série consegue manter um ritmo bom. Ela alterna entre a o Processo e a história de alguns candidatos e nos mostra os motivos que os fazem estar, e querer passar pelo Processo. No decorrer dos episódios começamos a conhecê-los mais, e até mesmo torcer, sentir raiva e se decepcionar com algum. A série é tensa até o quarto episódio (Portão), onde eu vejo como o ápice. Lá é o marco, a divisão da série. Vemos claramente como uma sociedade pode funcionar. Os problemas, e as soluções. Quem pode ter poder e quem não pode. Foi alto tenso, que me deixou apreensivo. Posso dizer que foi um dos melhores episódios de séries que vi ultimamente. Após esse episódio, a série tem uma queda na tensão, ou uma mudança nela. Já que a perspectiva muda e os problemas são outros. E ela começa a ir para um lado mais filosófico e social (como bem comentou meu amigo Rafael Saboia do Nerd nas Estrelas). Você começa a pensar e questionar não apenas a sua sociedade, mas na sociedade global. 

O elenco é ótimo. Praticamente todos os principais personagens tem um espaço e conseguem desenvolver bem seus personagens. Como destaques tenho João Miiguel (Ezequiel). Rodolfo Valente (Rafael); Rafael Lozano (Marco) e Vaneza Oliveira (Joana). Essa última por sua vez, uma das melhores. Você realmente consegue acreditar neles, e até mesmo confiar em alguns (pode ser que se arrependa). 


Essa série vem mostrar como o apoio faz um diferencial tremendo em algo. A ideia é boa, os pilotos são bons, mas sem apoio não tem como seguir em frente. A Netflix veio e comprou a ideia. Fez as alterações necessárias e nos entregaram uma série boa, com enredo bom, que não fica te enrolando e te deixa perguntando quando virá a próxima temporada. Claro que nem tudo são maravilhas, há pequenos lapsos aqui ou ali. Mas no geral é uma ótima série. E isso deixa claro como temos coisa boa na produção audiovisual aqui no nosso país. E não só nesse setor. Temos ótimos materiais em literatura, artes, e muitos. outros. Histórias em quadrinhos é uma área de grande crescimento e vem tendo maior destaque à cada momento. Mas ainda falta apoio, patrocínio, acreditar. E nós mesmos gostamos de sabotar nossos produtos, sem ao menos conhecer, já falamos mal por ser "produto nacional". Mas 3% veio jogar por terra essa máxima. 

Deixo aqui minha indicação para que você assista a essa série, caso goste (ou não) volte aqui ou visite a fan page do Foi Pra Estante e conversaremos sobre ela. Aguardo seu comentário. 


3% - Primeira temporada com 8 episódios disponível no Netflix
3% Youtube
3% Facebook


* todas imagens retiradas da fan page 3%

Comentários

  1. Louca pra assistir. Distopias são ótimas como reflexão e fazer uma série assim e solo brazuca e empolgante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa série apresenta alguns bons questionamentos. Alguns deles muito graves. E ver toda essa ambientação em língua portuguesa é realmente muito legal. Valeu !!!!

      Excluir
  2. Sua visão sobre a série me fez ficar mais feliz ainda sobre tudo isso! A série veio sorrateiramente, ainda não vi uma divulgação forte, porém, pra os amantes de um bom produto, que entrega cenas boas e conflitos (sociais, de personalidade, etc) é uma orima recomendação!
    Uma pena que eu nao vi tanta repercussão assim na internet como acontece em series gringas. Uma prova de que nem o brasileiro acredita no próprio potencial.
    Mas o resultado final é sim surpreende e agradável. Já tô ansioso pra uma próxima temporada hahaha
    (Obs: chorei com sua citação mim kkkk)

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que você não disse que ela veio malandramente.. kkkkkk
      Mas é verdade, a divulgação será boca-boca... Assim como foi Stranger Things (ok, não na mesma proporção). Mas você tem razão, não damos valor para nosso material, é uma pena. E o bom da série é que não teve mimimi novelístico, não ficou no sofrimento, ou nos casais clichês. Os relacionamentos fizeram sentidos e farão sentido mais para frente (com suas consequências), e isso foi bom. Jogou fora o estereótipo de novela das 21h. Vamos aguardar que o povo goste e que venha logo a próxima temporada. Valeu a visita !!!! (e limpe as lágrimas..rs)

      Excluir

Postar um comentário